Walt Judas, presidente da Associação da Indústria do Turismo de BC (TIABC), acredita que os 35.675 visitantes brasileiros — cerca de 500 a mais que a França e mais que o dobro de turistas italianos — registrados em 2018 sejam fruto da implantação da ETA em maio de 2017.A ETA é uma autorização eletrônica simples e rápida de ser obtida que está disponível para quem já tem visto de entrada para os Estados Unidos ou teve visto canadense nos últimos dez anos e intenciona ficar menos de seis meses no Canadá.Segundo Walt Judas, o setor está sempre pressionando o governo federal para que a entrada de cidadãos de países considerados “seguros” e com grande potencial de visitantes seja facilitada, e a entidade acredita que o Brasil seja um deles.No entanto, Clare Mason, representante da agência oficial de turismo da província, a DBC (Destination British Columbia), acha que o aumento considerável de visitantes brasileiros não foi causado pelo drible na burocracia, mas pelo aumento no número de voos partindo da Cidade do México direto para Vancouver.Para a DBC, portanto, seria mais negócio pressionar as companhias aéreas a criarem um voo direto de Vancouver para São Paulo ou Rio de Janeiro. A rota beneficiaria os dois países, afinal de contas, só no ano passado 71 mil canadenses visitaram o território brasileiro — um aumento de nada menos que 45% em relação ao ano anterior. E há uma expectativa de que o vai e vem cresça ainda mais depois de junho, quando deve entrar em vigor o fim da exigência de visto para canadenses viajando para o Brasil.